61 99643-3389
gnosebrasilia@gmail.com

Artigo do Blog

Leia o artigo a seguir
15 maio 2021

A Cultura Celta e sua Magia: A Dança Cerimonial do Tear dos Destinos

/
Postado por
/
Comentários0

A CULTURA CELTA E SUA MAGIA : A DANÇA CERIMONIAL DO TEAR DOS DESTINOS

 

Com seu apaixonante amor pela Natureza os povos celtas estiveram presentes em quase todo o território europeu. Da Alemanha oriental à península ibérica, de Portugal à Grã-Bretanha, e assim polvilharam essas terras com magia e espiritualidade.

Povos de grandes mistérios, sempre foram contados por escritores e estudiosos da história das grandes civilizações, ressaltando suas características mágicas e lendário amor pela natureza.

Samael Aun Weor em seu livro Magia das Runas diz: “Os sacerdotes druidas dos celtas praticavam a magia e os mistérios em suas cavernas, segundo o dizer de Plínio, confirmado também por Cesar e Pompônio Mela. Os austeros e sublimes hierofantes druidas, coroados de folhas de carvalho, reuniam−se solenes, sob a pálida luz da lua para celebrar seus Mistérios Maiores, especialmente na Primavera, quando a vida ressuscita pujante e gloriosa.”

Tinham como origem e fundamento 3 grandes divindades que sustentavam a árvore divina de sua existência: Dagda, Danu e Lugh. Dagda era o deus supremo, senhor reverenciado pelos sacerdotes druidas, responsável pela abundância e prosperidade. Líder dos Tuatha de Danam, da grande tribo dos filhos da Deusa Danu. Danu era a deusa mãe, símbolo da terra e da água, da abundância e da plenitude da natureza, da soberania, do lar e da família, e Lugh, o cristo celta, era o deus dos raios, do sol e da luz, deus das artes e da música.

A essência dessa potência podia ser vista no movimento perfeito do símbolo maior do povo celta, o Triskele, a espiral da vida com suas 3 pontas (pernas) que giram em harmonia, continuidade e perfeição. A trindade circulante, o movimento contínuo da vida através das 3 forças da criação.

Guardavam a vida como um constante “agora” onde a energia divina estava sempre presente, ora na luz, ora nas trevas, ora se expressando ao mundo através das festas, colheitas, nascimentos, e ora buscando o profundo, as cavernas, a interiorização, as sombras, para assim se renovar e ressurgir mais radiante e bela.

Todo esse movimento repercutia na vida de cada membro da tribo, e cada um se via como parte fundamental na belíssima teia que era tecida pelas deusas fiandeiras como Arianrhod, Badb, Bean Sidhe, Morrigan e Scatach. Essas fiandeiras Cósmicas eram capazes de entrelaçar os fios das vidas em infinitas possibilidades, numa teia multidimensional cuja base era o próprio universo.

Por serem emanações das Grandes Deusas Tecelãs, os celtas se viam como parte integrante dessa trama divina, fato este que lhes dava um sentido de pertencimento, como se seus braços e pernas e coração fossem a própria continuidade da Natureza. Tinham a perfeita noção de que todos somos constituídos da mesma substância e que compartilhamos a essência divina dos fios da existência.

O tempo era representado como uma Roda, em cujo movimento continuo estavam as estações do ano, o dia e a noite, os pontos cardeais, os elementos da natureza com suas potências maravilhosas, o Sol e a Lua como Pai e Mãe que zelavam por toda criação. Todos os planetas com seus movimentos e peculiaridades compunham a família cósmica de todos nós.

As florestas eram suas casas, as árvores seus mais importantes livros na estante da natureza e a música, a expressão dos deuses.

Assim para festejar a vida, as colheitas, a fertilidade, o entrelaçar dos destinos, faziam acontecer cerimônias mágicas, onde o homem, a mulher e a natureza se congregavam com o poder das eras.

Muitas eram as festas e festividades desse povo bucólico, dentre as quais as mais importantes eram o Beltane e o Samhain que comemoravam a Luz e as Trevas, o desabrochar e o recolher da Mãe Natureza.

Como expressão lúdica dessa adoração e respeito, realizavam o que chamavam de” A Dança Cerimonial do Tear dos Destinos “, onde através de seus movimentos e ritualística, era possível transmitir o conhecimento sagrado às futuras gerações, de lábios a ouvidos.

Muito se perdeu no passar dos anos, pouco foi escrito ou registrado, mas as estórias e lendas, mitos e canções, puderam retrazer o que de principal existia.

Todo o perfume extraído desse conhecimento deve ser perpetuado, e para que façamos consciência de sua beleza, colocaremos a seguir as etapas e significados dessa dança tão antiga quanto os astros, tão simbólica quanto as estações da natureza, tão vibrante quanto o Sol e tão misteriosa quanto a Lua.

 

  1. O Masculino, o Deus Pai – Dagda: Finca-se na terra, um Mastro de 4 a 6 metros, como representação do Falo, do poder e da força masculina que penetra e fecunda a Mãe Terra.
  2. O Feminino, a Deusa Danu: Traça-se um círculo no solo (diâmetro de 5 a 7 metros) com farinha branca em torno do mastro, como representação da terra, Danu, a receptividade – o Sagrado feminino fecundado pela potência masculina.
  3. A purificação, o Deus Lugh: Num plano anterior ao mastro e como símbolo do Cristo, duas fogueiras são acesas. Elas compõem um triangulo imaginário, em cujo vértice superior coloca-se uma vasilha com água que representa a umidade da Mãe Terra. Todos se colocam em fila e passando entre as 2 fogueiras, se dirigem à vasilha com a água. Com auxílio de uma concha, banham seus pulsos e depois molham tanto o entrecenho quanto o peito, como sinal de reconexão com a Natureza.
  4. Os adereços: A Grande Lei determina para cada ser um sexo para sua expressão. Homens e mulheres recebem então um adereço como símbolo de sua expressão divina: a mulheres, uma guirlanda, os homens, uma fita em formato de broche. A guirlanda é símbolo de beleza, proteção divina, pureza e feminilidade; o broche de fitas nas cores vermelho e verde, simbolizam o vigor e a ação.
  5. As fitas: Todos recebem uma fita que deverá ser amarrada ao mastro e levada até o seu ápice. Essas fitas representam as energias da expressão de Deus. Nossas virtudes e defeitos com os quais tecemos o destinos com as pessoas de nossas vidas. O mastro representa o caminho para Deus, a busca do Divino em nós; é Símbolo do Sagrado, da Fertilidade Divina, fonte do alimento que dá vida e sustenta o tear de nossas vidas. Essas fitas devem ser seguradas firmemente pela mão direita, representando a consciência que devemos ter ao traçar nosso destino e de todos os relacionamentos que cultivamos. Lembrar-se de si mesmo a cada instante, o AGORA que reina em cada momento.
  6. As cores: Cada cor tem seu significado:
    1. Amarelo: o conhecimento
    2. Azul: o amor
    3. Verde: a saúde
    4. Vermelho: a força
    5. Violeta: o Espírito
    6. Laranja: a alegria
    7. Preto: a introspecção
    8. Branco: a pureza e expansão
    9. Marrom: a materialidade
  7. A alternância: Homens e mulheres se alternam, formando um grande círculo. A Roda da vida com suas infinitas expressões e possibilidades.
  8. A música: Símbolo e meio pelo qual se alcança a conexão com o Divino, a plenitude cósmica. A música é a mediadora entre os homens e os deuses; permite alcançar os limites do Divino. Diz o grande sábio e mestre Samael Aun Weor, que “a música e o ritmo sustentam o Universo através do Chotovan e do Mahavan”. Para os celtas, a harpa era o instrumento usado nas cerimônias e rituais divinos, e a flauta e a gaita de fole nos momentos de guerra e recreação. Essa dança exige um ritmo mercuriano, com tempos definidos, pois deve expressar a engrenagem da vida em pleno movimento.
  9. A Dança e seus movimentos: Colocados se possível em número par e alternados, mulheres dão 1 passo à frente se aproximando do mastro. Homens iniciam seu movimento pela sua direita e passam com suas mãos inicialmente por cima da fita (cabeça) da 1ª mulher a sua direita. Mulheres iniciam seu movimento pela esquerda e passam inicialmente por baixo da fita do 1º homem a sua esquerda. E assim, sucessivamente, subindo e descendo os braços, passando ora por cima e ora por baixo das fitas de seus companheiros de jornada, recebendo os dons da Natureza quando levantam os braços e doando suas energias também para a Natureza quando passam por baixo. Esse tecer constante expressa a Lei do Darma e Karma agindo. O respeito pelo movimento do próximo é imprescindível, pois é ele que promove a harmonia da vida. Não deve haver choque de decisões, desrespeito, mas sim decisões serenas e responsáveis. Os movimentos traçam os destinos, tecem a teia de nossas vidas, com alegria e consciência.
  10. A Roda: Há 2 forças que regem o movimento circular: a força centrípeta e a centrifuga. Elas representam os movimentos internos e externos que compões nossas vidas e influenciam em nossas decisões, tanto no tempo como no espaço, tendo como regente, o nosso livre arbítrio. A Roda também representa o movimento continuo da vida que passa como o dia e a noite, as recorrências e sua mecanicidade,
  11. O desenho no Mastro: O entrelaçar dos nossos destinos, de nossas ações, se forem conscientes e serenas, formarão um desenho harmônico e bonito, símbolo do COSMOS; mas se forem inconscientes e irresponsáveis, formarão um desenho irregular e desarmônico, símbolo do CAOS.
  12. A Dança simboliza:
    1. – a fecundidade da Terra pelo Céu. O Sol primaveril fecundando a receptiva terra.
    2. – a necessidade da cooperação entre o feminino – masculino.
    3. – a criação pelo movimento circular.
    4. – nossa origem divina de onde todos provem.
    5. – a descida do ser humano na materialidade.
    6. – a beleza dos encontros entre as pessoas, que fazem parte do nosso Tecido do Destino, que nós mesmos fazemos com as fitas, o mastro, as pessoas e o círculo dados pela Divindade.
    7. – a recorrência mecânica e inconsciente para alguns, e com alegria e consciência para outros.
    8. a Lei do Darma e do Karma, o doar e o receber.
  1. O desfecho: Ao final, cada um pedirá a uma pessoa querida que amarre em seu pulso direto (homens) e esquerdo (mulheres) um pedaço de sua fita, momento em que fará um pedido ao universo. Depois todos se aproximam do centro, cortam o restante da fita e a amarram ao mastro, como símbolo da fé e confiança na Grande Lei de Deus. Eis a essência da Vida como anelo de esperança e realização.
  1. A fita deve permanecer no pulso até que o que o seu pedido se realize.

A Associação Gnóstica e Brasília e a Associação Gnóstica de Fortaleza farão realizar um Workshop sobre A Cultura Celta nos dias 12,13 e 14 de junho de 2021, onde estudaremos essa linda civilização. Não perca!!!

Heloisa Pereira Menezes

Vice Presidente e Instrutora da Associação Gnóstica de Fortaleza