61 98103-5127
gnosebrasilia@gmail.com

Artigo do Blog

Leia o artigo a seguir
4 dez 2017

A Simbologia Gnóstica do Natal

/
Postado por
/
Comentários0

A SIMBOLOGIA GNÓSTICA DO NATAL

A Gnose sintetiza o conhecimento expresso na ciência, na filosofia, na arte e na espiritualidade, objetivando ensinar técnicas psicológicas e metafísicas para despertar no ser humano seu imenso potencial adormecido.

Dentre as ferramentas ensinadas pelo Gnosticismo está a Simbologia Oculta, a qual permite captar o significado misterioso dos valores universais e dos códigos iniciáticos contidos em livros, músicas, monumentos, estátuas, pinturas, esculturas e tantas outras manifestações artísticas e culturais do gênio humano.

Antes da era Cristã houve gnósticos entre os egípcios, caldeus, chineses, maias, celtas, gregos e vários outros povos. Nos primórdios do cristianismo, antes da Igreja Romana ser formada no século IV pelo decadente Império Romano, houve várias correntes cristãs e dentre elas o Gnosticismo era a mais importante. Surgiram então gnósticos famosos como Justino, Basílides, Valentin, Cérdon, Teúdas e muitos mais. Estes sábios gnósticos foram taxados de hereges e expulsos da recém formada seita romana, justamente por defenderem ideias como a não necessidade de intermediários para se chegar a Deus, a igualdade entre o homem e a mulher e que Jesus não “nasceu pronto”, mas se formou em trabalhosos e precisos processos iniciáticos de auto-evolução anímica.

Com a necessidade de se proteger os mistérios crísticos das pseudo-teologias e adulterações bíblicas com finalidade política, muitos dos mistérios gnósticos do Natal foram velados em símbolos que, graças a Deus, sobrevivem até nossos dias.

Vários desses arquétipos não estão presentes apenas no Natal Cristão, mas também em outros povos, culturas e religiões, onde se comemora o Natalício de um Filho de Deus, ou a manifestação física entre os homens da própria Divindade, como é o caso de Osíris no Egito, Mitra na Pérsia, Quetzalcoatl no México asteca, Inti entre os povos andinos, Krishna para os hindus, Fo-Ji na China… e tantos outros.

Para se compreender os símbolos natalinos em sua integridade é necessário ampliar o entendimento do que é o Cristo. A Igreja Romana introduziu o falso conceito de que Cristo foi apenas Jesus e que somente Ele foi o filho Uno-de-Deus.  O que os gnósticos de todos os tempos sempre conservaram foi a sabedoria de que, além do Cristo Cósmico (o Logos Solar), do Cristo Histórico (Jesus de Nazaré, por exemplo), do cristo Mitológico (Osíris, Krishna, Mitra etc), há o Cristo Íntimo – uma parte de nosso próprio Ser Interior Profundo que precisa nascer de uma Virgem (nossa Mãe Divina, Stela Maris) e num estábulo (entre os animais que representam o ego, nossos desejos e apegos). A este Cristo Íntimo os gnósticos cristãos denominaram Salvador Salvandus.

Por isso sintetizou belissimamente o mestre gnóstico contemporâneo Samael Aun Weor: “De nada terá valido o Cristo ter nascido em Belém se não nascer também em nosso coração”.

Passemos então a alguns dos principais símbolos do Natal, com sua interpretação gnóstico-cristã-primitiva.

A DATA DE 25 DE DEZEMBRO

Esta data era comemorada desde eras remotíssimas, quando se faziam homenagens e festas cerimoniais em honra ao renascimento do Sol, o Solis-Invictus (invencível), a cada solstício de inverno no hemisfério norte, que ocorre no final de dezembro. O Natal é, portanto, antes de tudo, uma Festa Solar, uma cerimônia ao Doador de Vida, à Luz e ao Nascimento daquele que nos brinda a vida e nos salva do erro, do pecado e da escuridão. A Igreja ocidental tomou “emprestada” esta data dos chamados povos “hereges”. Veja que incrível: o Natal é uma festa pagã solar que se tornou cristã personalizada.

O PAPAI NOEL

O bom velhinho que nos traz os presentes representa a própria Divindade Interna, o Pai Interno ou Kether como dizem os gnósticos cabalistas, que nos dá virtudes se “fomos bons durante o ano que passou”, ou seja, nos oferece dons se bem utilizamos os talentos que o Altíssimo nos brindou. Isso no oriente, é chamado de recebimento de Dharma pelo bom uso do livre-arbítrio. Infelizmente, na atualidade a maioria das pessoas está completamente afastada de sua divindade interna e dos desígnios da Lei Divina. O modo de viver materialista para uns e a mera exaltação ao Cristo Histórico, para outros, fez esta humanidade se esquecer do Cristo Íntimo, do Natal do Cristo do Coração.

A MAMÃE NOEL

Viva representação da Mãe Divina Particular de cada um de nós, Binah, que ao lado do Pai Interno Kether rege todo o nosso universo espiritual interno. Carinhosa, amorosa e sábia, ela é a autora velada de nossos dias, quando nos devotamos a ela e agimos de acordo com nossa consciência. As pessoas que se entregam ao seu ego deixam de ouvir sua Mãe Divina e caem no erro. A Mamãe Noel é a própria representação Natalina de Maria, Maia, Ísis, Insoberta, Cibele, Kwan-Yin, Tonantzin, Amaterasu.

OS DUENDES

Os auxiliares do Papai Noel, em sua fábrica de brinquedos e para a entrega dos presentes, representam nossos corpos físico, etérico, emocional e mental (os 4 corpos inferiores e mais densos), os quais devem participar incansavelmente das ações virtuosas emanadas do Pai Interno para que nossas palavras, pensamentos e atos reflitam as virtudes da alma (os presentes do Papai Noel). Estes presentes-virtudes devem ser distribuídos a todos, como Serviço Voluntário de Amor Desinteressado pela Humanidade.

O PRESÉPIO

Instituído na Cristandade por São Francisco de Assis no século XIII, o arranjo de estátuas representando o nascimento do Cristo é repleto de simbolismos. Desde o próprio local de nascimento (uma manjedoura num estábulo), que representa nossa condição de pobreza espiritual atual, até o casal divino (Maria e José são as vivas representações de nossa Mãe Divina e nosso Pai Interno). Os animais ao redor do Divino Menino denotam nossos defeitos humanos (preguiça, orgulho, inveja, gula etc.). Um Cristo sempre nasce de um Casal santo, de uma Mãe casta, no meio da pobreza e dentre os animais. É adorado nos céus e na Terra.

OS TRÊS REIS MAGOS E OS PRESENTES DE OURO, INCENSO E MIRRA

Representam não somente os Reis (governantes) e Magos (mágicos ou Sacerdotes) dos povos da Terra que vieram adorar o Cristo Nascente, mas também as fases iniciáticas pelas quais passam os caminhantes do sendeiro crístico: o Rei Mago de cor Negra representa a morte mística ou a eliminação de nossos defeitos psicológicos; o Rei Mago de cor Branca denota o direito a usar as brancas vestes do espírito, conquistadas pela pureza e trabalho iniciático intenso; o Rei Mago de cor Amarela nos recorda o poder de salvar os povos, a capacidade real e redentora do Cristo. Esses três matizes foram muito utilizados na alquimia europeia e persa, quando eram chamados de “Cores ou Etapas da Grande Obra”, principalmente nos textos de Flamel&Perenelle, Sendivogius, Gueber, Cornelio Agripa, Basile Valentim e Paracelso. Os presentes oferecidos ao Infante-Messias pelos Regentes-Sacerdotes também simbolizam as etapas de cristificação e a própria missão do Salvador: a Mirra sempre foi utilizada em ritos funerais, trazendo a sabedoria da necessidade de renovação ou Morte da parte Humana (o ego) para que o Cristo (Salvador Salvandus) nasça; o Ouro evoca a própria realeza incorruptível do Cristo, alcançada por intensos trabalhos de transmutação, o que numa linguagem gnóstica está relacionado aos Corpos em Ouro do Iniciado que transmuta suas energias criadoras; o Incenso, por seu poder compartilhador, purificador e de conexão com a Divindade, é o próprio trabalho de Serviço ou Caridade Universal a ser empreendido por todo Cristificado.

AS LUZES

Onde há luz não há trevas. Por isso todos os povos antigos cultuavam o Sol como expressão visível de Deus. A própria palavra Deus vem do grego Theos, que significa o dia, a luz. Portanto, as Luzes de Natal homenageiam não só Jesus, mas também prenunciam a vinda da Luz, do Sol, do renascimento da estrela que nos ilumina, a partir de 25 de dezembro (no hemisfério norte) quando o Sol recomeça seu caminho de fortalecimento (rumo ao verão) para aquecer, iluminar intensamente e dar vida ao mundo. Esotérica e astronomicamente falando, o Natal no hemisfério sul é no mês de junho, quando temos nossas Festas de São João.  As luzes de Natal estão representadas não somente nos modernos enfeites de led que tão belamente ornam nossas fachadas e decorações de Natal, mas também nas Velas de Natal que são acendidas na noite de Natal.

OS PRESENTES

Como o próprio nome diz, os presentes são benesses ou dons concedidos pela Divindade para que a pessoa os utilize, seja reconhecendo a Deus, seja trabalhando no compartilhar desses dons com os semelhantes. Por isso, em todas as culturas solares ou de ouro (aquelas não corrompidas espiritualmente), os presentes são oferecidos como símbolo das Virtudes que a Divindade nos oferece para que por Sua Obra trabalhemos. Dar um presente a alguém significa considerá-lo, lembrá-lo, reconhecê-lo como querido, vinculá-lo a nós, ajudá-lo, dar-lhe nossos votos de sucesso, dizer que nele confiamos e que o amamos. Presentear no Natal é compartilhar as Graças que Deus nos deu.

O PINHEIRO OU ÁRVORE DE NATAL

As árvores sempre representaram o estado humano e o caminho à Divindade. Por estar ligada ao submundo invisível (com suas raízes), buscar o céu com seus galhos e nos dar seus frutos, as árvores estão presentes em várias litanias e símbolos religiosos: na Figueira onde Buda se iluminou, na Oliveira tão citada nas metáforas de Jesus, na Yggdrasil dos nórdicos, na Ceiba sagrada dos maias. O pinheiro, como símbolo da Era de Aquário iniciada em 1962, denota com perfeição a chamada Otz-Chiim, ou Árvore da Vida da Cabala, com seus sefirotes ou emanações divinas no cosmos e no próprio ser humano. Cada séfira é uma Virtude a ser colocada para Ornar nossa Árvore de Natal Interna (nossa árvore cabalística pessoal).  As bolas luminosas na Árvore de Natal representam nossos Sefirotes ou Virtudes Divinas resplandecentes.

OS SINOS DE NATAL

Os sinos de Natal nos chamam para o despertar da consciência, nos convocam para compreender com profundidade que o ser humano possui uma alma e um espírito que podem, mediante trabalhos conscientes de aprimoramento iniciático, chegar à Cristificação. Na alquimia medieval os sinos tinham profundo significado alquímico: o corpo do sino representa o útero e os badalos denotam as gônadas masculinas… da interação vibrante e amorosa dos dois nasce o anúncio do Natalício do Menino de Ouro da Alquimia.  A Pedra Filosofal nasce do enlace ígneo do Cadinho com o Matraz, do falo com o útero, da retorta com o forno, do Sino com o Badalo. Nos sinos do Natal está a chave para a Cristificação. A sagrada e casta união sexual entre o homem e a mulher para que o Cristo Nasça de um Pai Virtuoso e de uma Mãe Imaculada.

OS DOCES

O doce sempre foi ligado ao céu e a uma premiação às boas almas, enquanto o acre ou amargo denota castigo e até o inferno. Por isso os livros sagrados citam manás, manjares e até o mel como o alimento dos deuses. A energia, pureza, poder purificador e regozijo contidos no mel, por exemplo, representam o caminho espiritual ascendente, positivo e celeste. Por isso os doces de Natal, seja nas iguarias alimentares ou nas bengalinhas doces da árvore de Natal trazem a mensagem subliminar de premiação ao menino(a) que cada um de nós traz dentro (nosso próprio Real Ser Interior Profundo).

A ESTRELA

A Estrela Guia conduz o iniciado pelo deserto da vida, para que cada etapa (os Reis Magos) encontrem o Menino-Deus (o Salvador Salvandus ou Cristo Íntimo) e o preparem com os Presentes Sacerdotais (o Ouro, o Incenso e a Mirra). Assim preparado, o Cristificado poderá realizar sua missão redentora pela humanidade. Por isso Samael Aun Weor ensina que Cristo é o Raio que nos une ao Absoluto. Da mesma forma, os Cabalistas Gnósticos citam que dentro de cada ser humano há um raio divino (Paranishpana) que anela voltar à sua estrela.

O TRENÓ E AS RENAS

O veículo do Papai Noel tanto serve para levá-lo aos céus quanto é instrumento de trabalho para distribuir os presentes. Carros voadores e veículos fantásticos sempre estiveram presentes nas tradições iniciáticas de todos os povos. Desde o Elias bíblico até a Mercabat cabalista, para se empreender obra gnóstica redentora é necessário conquistar o trenó alado (os corpos superiores ou solares de manifestação física, mental e emocional) e com renas potentes e obedientes (os instintos). Tudo isso, repetindo, para entregar os presentes (virtudes) na forma de serviço desinteressado pela humanidade.

A CEIA DE NATAL

Os rituais de comensalidade talvez sejam o maior dos mistérios de todas as religiões. Partilhar o frutos da Terra e do Sol (a energia infundida no grão de trigo ou de uva, por exemplo) denota a própria transubstanciação do Crestos Cósmico (o Logos Solar), sintetizada na Unção Eucarística dos gnósticos-cristãos. Mas ritos de refeição comunitária permeiam todas as tradições: entre os maias havia pão de milho e água de mel; entre os egípcios compartilhava-se pão de trigo e cerveja; os orientais utilizam pão de arroz e vinho de arroz (saquê); para os povos mediterrâneos foram consagrados o pão de trigo e o vinho de uvas. Por isso a Ceia de Natal se reveste de um simbolismo todo especial: ela nos ensina que a Energia do Cristo, o Salvador recém-nascido que veio para que todos tenham vida, deve ser compartilhada em honra do Doador de Vida.

Queremos crer, estimado leitor, que agora de posse dessas informações sobre o simbolismo iniciático-gnóstico do Natal você possa viver esta festa universal em todas as suas esferas, fazendo-a vibrar mais intensamente entre seus amigos, seus familiares, seus desconhecidos… mas principalmente na Intimidade do seu próprio Templo-Presépio-Coração.

Que venha o Natal do Salvador Salvandus no coração de cada homem e de cada mulher de Thelema (Boa Vontade), para que haja Paz na Terra e Glória a Deus nas alturas !

Sérgio Linke é engenheiro, executivo do mercado financeiro e presidente da Associação Gnóstica de Fortaleza